17 de mai de 2018

Não quer, não quer...




Imagem relacionada

Recentemente, observei a preocupação de uma profissional de saúde com um cliente que insistia em não seguir suas recomendações. Simplesmente, ele não estava disposto a fazer mudanças em seus hábitos diários em prol de sua saúde. Para ele, eram enormes os sacrifícios, e não conseguia enxergar os benefícios à altura de tantas restrições. Tal profissional, declarava não saber mais como proceder, frente a essa resistência, por mais que buscasse alternativas de convencimento.

Por mais que nossa tendência seja tentar saber se realmente ela fez todo o possível para mostrar os grandes benefícios de possuir um estilo de vida mais saudável, antes de criticá-la, ou mesmo de crucificar seu cliente resistente pelo seu desprezo com a própria saúde, talvez devamos refletir sobre essa resistência: trata-se de um indivíduo adulto, e como tal, de livre arbítrio, deve ter suas escolhas respeitadas.

Resultado de imagem para dont want to do exercisesSe para uma pessoa, tirar alguns minutos da vida para uma prática de exercícios, ou organizar uma dieta mais equilibrada, beber com moderação, não fumar, etc. são sacrifícios mortais, por que tentar forçá-lo a algo que não o deixará feliz? Definitivamente isso não parece justo, nem democrático. Os benefícios dos bons hábitos alimentares estão postos à mostra em qualquer veículo de mídia, as alternativas para mudar tais hábitos existem aos montes, e claro, o preço que se paga pelas más escolhas também são bastante evidentes atualmente. Mas se mesmo assim, a pessoa se nega a mudar, o que fazer?

Sabemos que não podemos desistir de promover saúde a quem quer que seja, e que talvez algumas pessoas não tenham encontrado o argumento forte o suficiente para convencimento. Nos cabe, enquanto profissionais buscar formar sempre exemplos para essas pessoas. Nossa atuação deve ser sempre melhor, transformando a qualidade de vida daqueles que se dispuseram a cuidar de sua saúde. Esses exemplos, se não convencem os resistentes, impedem que esses maus exemplos conquistem adeptos, piorando o já muito grave problema de saúde pública que enfrentamos. Sim, isso devemos impedir! Alguém pode optar por não querer o bem para sua saúde, mas não podemos nos calar quando buscam propagar essa escolha a outras pessoas.

Antes de ser um texto conformista com os que insistem em não cuidar da saúde, a intenção aqui é fazer com que nós profissionais concentremos nossas forças em quem realmente quer mudar de vida, fazendo o nosso melhor. Quem sabe num momento posterior, cada vez mais cercado de pessoas felizes e saudáveis, o estímulos aos insistentes seja mais forte. O que certamente não cabe é criticar ou julgar tais escolhas, pois certamente não será assim que vamos convencer alguém a mudar. 
Nunca é tarde pra começar!

7 de mar de 2018

Welfare Analisa: MI BAND 2 (Pulseira Inteligente da XIAOMI)

O professor Pablo Carvalho, do GRUPO WELFARE, inaugura mais um quadro do nosso canal no Youtube: Welfare Analisa. E nesse vídeo, o Personal Trainer fala da Pulseira Inteligente MI BAND 2 (XIAOMI)🕵️‍♂️. Um aparelhinho que vem caindo no gosto dos brazucas. Será que ele é útil para nosso treinos? 🤔 Tá na dúvida? Quer comprar um? 🤨 Confere nosso vídeo! 🎬Não esquece de curtir e compartilhar!😎
#suasaúdenafrente
#welfareanalisa
#personalyoutuber
#welfarenoyoutube

 

Se inscreva no nosso canal, ativa o sininho para receber nossas notificações de mais vídeos.



20 de fev de 2018

#papopóstreino - Sobrepeso e Obesidade

Está no ar o segundo vídeo da série PAPO PÓS TREINO no canal do GRUPO WELFARE, onde participo de um debate com os professores Pablo Carvalho e Gustavo Silva, além do Fisioterapeuta Túlio Eskinazi.
Dessa vez, conversamos a respeito dos índices alarmantes de Sobrepeso e Obsidade, as práticas profissionais no combate ao ganho de peso, além das condutas e hábitos de vida de nossa população. Vale a pena conferir.


Curta, Compartilhe e se inscreva no Canal do Welfare. Estamos com um projeto que vai trazer muita informação de qualidade com os professores do grupo e outros profissionais convidados.


16 de fev de 2018

Ciência ou Prática?

Quando falamos em ciência, dificilmente observamos um método como perfeito e infalível. E quando o assunto é saúde, obviamente isso não é diferente. Assim, não é raro encontramos verdadeiros debates sobre uma técnica, um método, um alimento, ou tipo de treino que poderia trazer melhores resultados que outro, ou mesmo contraindicando algum tipo de exercício, medicamento, ingrediente por trazer malefícios à saúde. Esses debates são sadios, e movem a ciência a sempre buscar o melhor caminho. O problema ocorre quando isso foge totalmente ao que é científico e fica meramente baseado em "achismos".

A ciência se desenvolve a partir de pontos de vista diferentes
Nas redes sociais, é bem fácil encontrar verdadeiras armadilhas. Recentemente, o grande vilão da nutrição parece ser o leite. Ver o diabo encarnado parece ser mais vantagem que beber um copo de leite. E os textões na internet se multiplicam com cada história digna de filmes de terror dos bem elaborados. Um pânico desnecessário e infundado, quando se analisa com mais calma os fundamentos realmente científicos sobre os benefícios ou as desvantagens  da ingestão de qualquer tipo de alimento.

O mesmo tem acontecido na área da Educação Física. Hoje é possível acompanhar grandes profissionais que postam suas produções de pesquisas na rede e vez por outra nem sempre são ideias convergentes. Mas como vivemos no auge da geração "mimimi", muitas pessoas preferem tomar partido de um ou outro lado e satanizar o "opositor", tal como na política, tal como no futebol. HIIT é melhor que Aeróbico contínuo? Agachamento é melhor que Flexão de joelhos? Exercícios isolados para pequenos músculos são inúteis? Zumba emagrece mais que crossfit? Enfim... cada lado que faça sua afirmação e deseje o fim daquilo com o qual ele não concorde.
BEM X MAL - Será mesmo assim???

Qual minha posição sobre essas questões? Que tal se eu ficar em cima do muro? Sim, uma resposta bem política, nem por isso impensada. Pois, nesses casos acima (e em vários outros) não há um lado correto. Talvez exista, sim, uma alternativa que traga resultados mais visíveis e mais rápidos, ou que sejam mais práticos de utilizar em determinado grupo ou ambiente, mas certamente todos eles são capazes de trazer algum resultado, bastando analisar melhor o contexto inserido.

Eu não vim trazer respostas nesse texto, apenas alertar. Antes de confiar 100% num textão de internet, verifique de onde parte, quem é a fonte da informação e se a pessoa possui qualificação para tratar de determinado assunto. Procure sempre uma segunda opinião com outros profissionais. Duvide, e questione de qualquer resposta radical. E entenda, finalmente, que o profissional que te acompanha, tem a possibilidade de compreender melhor como seu corpo reage, do que quem trás opiniões de longe.
Bons treinos!

10 de jan de 2018

#papopóstreino - SAÚDE DA COLUNA

No primeiro vídeo da série #papopóstreino, eu juntamente com os demais professores do Grupo Welfare, debatemos sobre a saúde da coluna com a participação do fisioterapeuta Túlio Eskinazi. Um bate papo bastante abrangente e informativo. Vale a pena conferir, e se pintar alguma dúvida, deixe nos comentários e faremos questão de buscar ajudar. Não se esqueça de se inscrever no nosso canal!